André Akkari dá lição de como agir nas mesas após polêmica de Hellmuth

Os maiores eventos de poker sempre trazem na grade um torneio especial para as mulheres. Geralmente denominado como Ladies Event, a intenção é a de trazer mais mulheres para o mundo do poker e um torneio só com jogadoras pode ser um caminho melhor para que essas se sintam confortáveis na nova experiência.

Na WSOP, o Ladies Event começou ontem, com inscrição de US$ 1 mil para cada jogadora. No entanto, a regra da WSOP permite que homens também possam se inscrever no evento, contanto que pague 10x o valor do buy-in, ou seja, US$ 10 mil. É claro que toda inscrição masculina não é bem vista pelas jogadoras e algumas vezes os homens quiseram fazer isso para aparecer.

Ontem, um jogador também resolveu fazer a inscrição. Era o americano Tom Hammers. Mas se a princípio é estranho ou mesmo inadequado ver um homem se inscrever, Hammers tinha um motivo mais nobre. Ele queria participar do Evento para chamar a atenção para uma causa solidária.

LEIA MAIS: Com prêmio de seis dígitos para campeã, Fê Lopes puxa fila brasileira no Ladies Championship da WSOP

Além dele, sua esposa e enteada também estavam no field. O jogador quis se registrar e prometeu doar todos os ganhos para a caridade. Sua escolha seriam instituições que ajudassem mulheres agredidas e sem-teto, visando as mulheres no geral.

“As mulheres vítimas de abuso precisam de ajuda, as mulheres sem-teto precisam de ajuda, então por que não escolher a plataforma de um evento para mulheres?” Hammers explicou, em entrevista à PokerNews. Ainda assim, suas ações geraram debate entre as participantes.

Mesmo com a boa intenção, algumas jogadoras não viram de boa forma a atitude. Tom Hammers acabou eliminado fora da premiação pouco mais de duas horas após ter se registrado. A estratégia não deu certo, e quando sua eliminação se consumou, sua queda foi aplaudida pelas jogadoras, como acontece quando qualquer homem é eliminado do Ladies.

LEIA MAIS: Dona Lidia Vinci, avó de Anthony Barranqueiros, faz FT no Side Event Deepstack da WSOP e acerta acordo no 3-handed

No Twitter, algumas jogadoras se manifestaram contra o registro do americano, mesmo com as boas intenções por trás. Katie Stone foi categórica: “Espere, quem se importa com quais são suas intenções! Cada mulher que se inscreveu no evento para mulheres está pagando para … jogar em um evento para mulheres. Por que suas ‘intenções’ importam? Ele está sendo egoísta e desrespeitoso na minha opinião”, afirmou.

Já AJ Rudolph, mentora do Poker Power, que prepara mulheres para o mundo do poker, também foi taxativa:

“Aqui está o problema. Ele pode ter boas intenções. Mas eu ensino novas jogadoras de poker. E é muito intimidante para eles virem jogar poker ao vivo. Os eventos para mulheres proporcionam uma entrada fácil. Ele está pensando do ponto de vista dele, não no da mulher.

Por fim, a polêmica acabou sendo “à toa”. O jogador não conseguiu o plano de ajudar as instituições e as mulheres não receberam bem a situação. Você acha que foi uma atitude válida ou ele deveria ter tomado outros caminhos? Opine em nossas redes sociais.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #22 do Depois do River:

Author: admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *