KSOP RJ: Vinícius Miranda fala de ano insano com três hits de seis dígitos e reconhecimento nas mesas: “tá sensacional”

Vinícius Miranda é mais um jogador de enorme destaque nas mesas online neste ano que está dando as caras no KSOP Rio de Janeiro. Engrandecendo o field, o mineiro de Muriaé foi eliminado na reta final do Progressive KO e conversou com o Mundo Poker sobre o ano insano que está fazendo em 2021.

Para ter ideia, o profissional joga um buy-in médio de US$ 65 a US$ 70 e conquistou a façanha insana de três resultados de seis dígitos no online. OS prêmios foram na casa de US$ 135.000, US$ 129.000 e US$ 124.000. Ele falou sobre a fase exuberante.

“Eu não esperava nem nos melhores sonhos que o ano seria tão sinistro assim. Eu venho trabalhando forte já tem uns três anos. As coisas foram acontecendo e eu só não parei de trabalhar, continuei no meu ritmo mesmo e foram acontecendo um atrás do outro. Estou muito feliz de tudo estar dando certo e as coisas caminhando nesse rumo”, falou Vini.

A curiosidade dos prêmios de Vinícius é que todos os três eventos foram aqueles torneios de “Fases”, uma estrutura comum principalmente em séries que realizam diversos – até dezenas – de classificatórios antes de um dia final. Miranda superou fields de 20.000, 10.000 e 6.000 entradas. Ele falou sobre um possível diferencial em seu jogo nesse estilo de evento.

LEIA MAIS: QUE JOGO É ESSE? Thalya Vivian é eliminada na primeira mão do Main Event do KSOP RJ após teatro de adversário

“Eu costumo jogar eles nos dias de semana para no domingo ficar mais leve. As retas desses torneios costumam ser mais fáceis porque são torneios que costumam ter prizes muito altos. São vários classificatórios. Todos meus big hits foram através dos Fases. Única coisa que eu consigo falar que eu acho que é meu diferencial nesse tipo de torneio é que eu consigo explorar muito bem os adversários nessas retas”, analisou.

Jogador do PokerLAB Team, a ascensão de Vinícius em 2021 pode até ser comparada com o estouro de Brunno Botteon no poker online. A coincidência é que o ex-número #1 do mundo também era jogador do PokerLAB.

“É uma honra ser comparado com o Botteon. Ele foi meu instrutor no PokerLAB. Ainda não me falaram isso (risos). Eu me sinto honradíssimo e vou representar o máximo possível o time, o trabalho é muito bem feito, eu só tenho elogios a todo mundo. Tanto os meus amigos, instrutores, como o pessoal do time. Vou continuar nesse ritmo”, respondeu Vini sobre a comparação.

Apesar do grande ano e certamente de um conforto financeiro atingido, o mineiro ainda não pensa em seguir para uma carreira solo.

“Eu acho que ainda tô muito longe do nível ideal para seguir solo. Acho difícil, bem difícil. Eu gosto muito do lugar onde eu tô. A turma do PokerLAB é sensacional. Eu não me vejo saindo de lá. Pode ser que futuramente eu tenha outras metas, mas atualmente não me vejo saindo e vou continuar por lá”, explicou.

Vinícius disse que sempre gostou de jogar ao vivo, mas que foi justamente nesses dois anos da pandemia que a carreira dele decolou. Ele veio para o KSOP e ficou hospedado com a galera do Insight Poker Team e notou uma diferença significativa no tratamento de outros jogadores: o reconhecimento.

“Tô com a galera do Insight Poker Team, na casa deles, porque o pessoal do meu time não conseguiu vir. Foi legal conhecer os meninos, ver o pessoal que a gente vê online. Pela primeira vez estou tendo o reconhecimento dos outros passando por mim, me dando parabéns pela fase, pelo ano, tá sensacional”.

Por fim, ele elogiou bastante o evento. “O KSOP tá muito bonito, o hotel é muito bonito, os dias ficaram melhores com sol, a vista é maravilhosa de fora do hotel”.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #22 do Depois do River:

Author: admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *