Dia 1f do Main Event da WSOP classifica mais brasileiros para o Dia 2

Edson Tsutsumi fez história na WSOP Online neste ano ao conquistar o prêmio surreal de US$ 1.907.034, disparado o maior de um brasileiro no poker. Dois meses se passaram e o craque finalmente abriu o jogo sobre tudo o que aconteceu no evento. Há algumas semanas, ele gravou um vídeo respondendo diversas perguntas feitas pelo Mundo Poker.

Em um dos momentos da entrevista, Tsutsumi fala sobre a mesa final e os adversários que enfrentou. Ele era o chip leader da FT e teve um intervalo de cinco dias para se preparar, estudar e analisar os adversários antes de finalmente jogar a decisão.

“Tinham jogadores de vários estilos. Alguns mais agressivos, outros mais sólidos. Também fiquei acompanhando nas retas finais, deu para perceber os estilos de cada um. Na última etapa dos meus estudos eu pesquisei nome a nome da mesa final, busquei informação em qualquer canto possível, sites russos, ingleses e até no Mundo Poker”, explica.

“No início da FT eu também percebi que tinha alguns mais agressivos, principalmente o Aleksei que estava à minha direita, jogador russo. Assim como eu ele tinha um stack confortável. Essa estratégia favorece em torneios como esse, que tem os pay jumps tão grandes. As pessoas jogam mais passivas, mais sólidas”, continua Tsutsumi.

LEIA MAIS: Raio X da WSOP Online: Brasil termina série com seis braceletes, quatro vices e dois prêmios históricos; saiba mais

Durante a decisão, ele também percebeu que a jogadora Christine Do estava jogando mais tight do que deveria. “Eu percebi que a Christine, jogadora canadense, estava mais sólida. A dinâmica ficou um pouco interessante, porque os jogadores estavam agressivando quando ela era o big blind”.

Tsutsumi mostrou uma mão que deixa isso claro. Ainda líder, no 6-handed, ele abriu raise com AQ e ela deu apenas call no botão com AK. “Pensou bastante e jogou de flat com 50 blinds. Ela era o terceiro stack. O range dela, nesse caso, é mais fechado, algo como 22 a JJ. Frequência bem baixa de AA, KK, QQ. Tem alguns A suiteds, AQ frequência razoável. Mas normalmente não vai ver muitos flats nessa situação”, enxerga Edson.

O russo Aleksei Vandyshev não perdeu o spot no big blind e fez um squeeze grande para quase 14 big blinds. “Jogador mais agressivo da mesa, tava encaixando vários spots de 3-bet, 4-bet, um pouco mais light do que a teoria manda. Ele seria inteligente suficiente para aproveitar o cenário para ampliar as frequências de squeeze, sendo que a Christine tava jogando muito sólida”.

Tsutsumi tinha espaço e, segundo ele, um dos melhores combos para jogar essa mão. Ele partiu para o 4-bet com um click no russo e acabou dando certo. Christine largou o AK e Aleksei não quis inventar mais nada com o 72s. O Mundo Poker continuará postando alguns recortes da entrevista de Edson nos próximos dias tanto aqui no site como no Instagram antes do vídeo completo.

Confira:

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio do Depois do River #22:

Author: admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *