Fabricio Nociolini é o campeão do High Roller

A noite do domingo vai ficar na memória do paulista Fabrício Nociolini. Numa noite fria e chuvosa de Balneário Camboriú, o administrador da Insight Poker escreveu uma das mais legais histórias do KSOP Special, com uma vitória irretocável em dos mais tradicionais torneios da grade, o High Roller, de R$ 8.000.

Jogando contra grandes craques do poker nacional, Nociolini conseguiu seu segundo título do circuito, deixando pra trás um field total de 366 entradas e superando uma mesa final de altíssimo nível, Fabrício saiu com uma das maiores premiações da etapa e arrumou excelentes R$ 489.300 quase no apagar das luzes.

LEIA MAIS: KSOP Special: Short desde o início do dia, João Rech busca arrancada impressionante e conquista o título do Monster Stack KO

Bastante emocionado, Fabrício concedeu uma longe e bela entrevista que fez jus ao alto nível apresentado durante todo o torneio. Ele fez questão de agradecer a todos que o acompanharam, de perto ou de longe, falou do time, do sentimento de ser campeão e de todo o KSOP no geral. “A série como jogador não tava sendo das melhores, mas terminar com o título do High Roller é sensacional. É um dos torneios mais glamourosos do evento, field qualificado, não sei muito mais o que falar”, começou.

“Eu sou um pouco emotivo e dou muito valor nas pessoas. Isso faz parte da minha personalidade. Eu agradeço demais a emoção de poder estar aqui comemorando um título. É o meu segundo no KSOP e eu já falava desde o outro ‘um título de live é incomparável com qualquer outro’. Aqui foi mais especial ainda. Foi um dos maiores eventos do Brasil, uma edição especial do KSOP, o time veio com muitos jogadores, fizemos nosso encontro, tem vários outros amigos que também estão aqui”, continuou o profissional.

“Foi um prazer ter jogado esse torneio e mais ainda ter ganhado ele na presença de grandes amigos. Todos estarem aqui é muito .importante. E claro que não posso deixar de falar da minha irmã, que tava assistindo em casa e gravou de um celular no outro só pra ter isso gravado. Sem ela nada disso teria acontecido, foi mãe, pai, tenho um carinho muito grande. É o amor da minha vida mesmo. É indescritível o sentimento de poder vivenciar algo com tanta gente próxima. É fantástico”, completou.

A trajetória de Fabrício começou na sexta colocação entre os oito finalistas. Ele conseguiu se manter no jogo e foi acumulando fichas o suficiente para ter um stack confortável e brilhar. Depois de alguns spots cruciais, ele chegou a um ponto onde já estava sendo o líder da mesa e foi questão de tempo para coroar o ótimo desempenho. Ele relembrou o caminho que o levou até a vitória:

“A FT foi muito qualificada. Logo no começo o Kamei dobrou duas vezes, alterou a dinâmica. O Alen ter caído cedo facilitou um pouco, porque ele é um jogador que com certeza daria muito trabalho. Aí as coisas foram acontecendo, dobrei em um spot quando tinha 15 blinds, depois dei um hero call contra o Igor e dali pra frente as coisas andaram. Virei CL junto com o Mestre Filipe, outro jogador de bagagem fantástica, consegui jogar tranquilo. No HU cheguei ligeiramente atrás do Peterson, que foi outra grata surpresa, um cara fantástico, excelente jogador, mas ali ventou pra mim. Acertei muito valor e aconteceu o que tinha que acontecer. Acho que joguei bem. Com erros, claro, faz parte, mas bem”, explicou.

Aniversariante do mês, completando um novo ano na data de ontem, Fabrício saiu com outro presente inesquecível. Além do troféu e do nome mais uma vez cravado na história, o jogador da Insight, o craque viu um sonho se realizar nas mesas com o impulso de outro jogador frequente do circuito. E o acontecido fez Nociolini exaltar o clima do KSOP.

“Tudo foi divertido demais. Esse é o principal ponto. Eu sempre falo pros meninos que os eventos ao vivo são pra se divertir mesmo. A gente vive uma profissão que é um pouco isolada, solitária. Sentar aqui e poder conversar é especial. Tem tanta coisa boa que aconteceu aqui nessas duas semanas que valeria um ano. Por exemplo, meu aniversário foi ontem e eu tava na mesa com o Léo Rizzo. De repente conversando ali, eu falo que torço pro São Paulo e ele pega e liga pro Zetti, meu ídolo, comecei a torcer pro São Paulo por causa dele. Falei com o Zetti, Aloísio Chulapa. Isso não acontece em casa. Eu me diverti muito”, decretou.

Para finalizar, o profissional adiantou alguns dos próximos passos e mandou o último abraço especial: “no Rio eu vou ter uma passagem mais curta porque é aniverário da minha república em Ouro Preto, a República Oxigênio, que é minha segunda família. Eles estavam assistindo, torcendo, então deixo um abraço pra eles também. Mas o KSOP sempre que eu puder ir, eu vou. É um evento muito especial. O clima é mais amistoso, todo mundo é mais divertido. No geral tudo acaba sendo melhor. Tenho um carinho e vou tentar estar em todas as etapas”, fechou o campeão.

Confira a premiação da mesa final:

1º – R$ 489.300*

2º – R$ 311.750*

3º – R$ 378.500*

4º – R$ 180.000

5º – R$ 130.000

6º – R$ 98.950

7º – R$ 77.000

8º – R$ 62.000

Confira o episódio #13 do Poker de Boteco:

Author: admin

Leave a Reply

Your email address will not be published.